A MORTE e o SUICÍDIO.

Posted by on Apr 8, 2018 in Blog, Celebrities, numerologia Notícias, Quirologia, Resources | 0 comments

A MORTE e o SUICÍDIO.

Ontem, dois dos clientes que recebi no meu escritório passaram por experiências que os levou a seriamente contemplar o suicídio. Quando digo contemplar foi mesmo chegar ao ponto crítico de o fazer.

O importante é que estavam aqui, em carne e osso, em minha frente. O que quer dizer que não foram até ao fim da decisão capital.

Um francês e o outro inglês. Seja de que raça for o sofrimento humano não escolhe a origem.

Ambos tiveram – passaram – por aquilo que conhecemos como ‘coração quebrado’. Uma pena de amor. Um amor interdito. Um amor negado. Um coração esmagado.

Existem DOIS PONTOS nesta situação que devem ser partilhados aqui online. A razão por que o decidi fazer é simples, são situações que afetam mais SERES do que podemos imaginar. Nem todos são fortes emocionalmente para navegar uma situação desta natureza.

(1) – O PRIMEIRO PONTO é o suicídio própriamente dito. É-nos necessário compreender – entender – que o suicídio NÃO É A MORTE! A Vida é ‘um jogo’. Chamo-lhe um jogo porque logo do princípio já conhecemos o fim! Sim, é um jogo importantíssimo para a ALMA/ESPIRITO. É através deste jogo que podemos criar as memórias que nos levam à evolução que desejamos. Não é suficiente saber que o fogo queima, necessitamos saber o que isso quer na realidade dizer. Mas não só, é aqui nesta dimensão, neste estado de Ser que aprendemos o verdadeiro significado do ‘AMOR”.

Se o ‘meu jogo’ escolhido tem uma duração de 91 anos e durante a passagem eu abandonar o jogo – suicídio – aos 53 anos… eu posso! No entanto o jogo não foi jogado na sua totalidade. O jogo não foi terminado. A sequência do ‘Túnel’ do renascimento e da morte não está ativo – presente/pronto – do outro lado. Na realidade nada está preparado ou á minha espera. Conclusão, tenho de esperar. Tenho de esperar pelo tempo que eu próprio planei e coordenei.

Onde espero? Pois, é aqui que está o problema, fico no entre mundos. Não tenho acesso à ‘casa original’ porque antecipei-me no tempo e também não tenho acesso ao mundo que acabei de deixar. O colocar o meu corpo físico fora de função tirou-me também a capacidade de vivenciar e existir na dimensão Terra. Sim! Continuo a ver tudo deste lado, mas nada posso fazer em termos de interação com o que está! Vejo a minha família. Os meus queridos amigos. Os bens que deixei atrás… tudo! No entanto, nada posso fazer.

Existe outro fator aqui que não pode passar despercebido. Agora, neste estado de Ser, não tenho acesso ao tempo. Estou à espera sem saber de quê e de quando. Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii a tristeza agora faz-se sentir no seu mais alto nível. Tudo parece mais real. Uma espécie de ‘Emoção-Alpha’.

Ps. Relembro que neste estado de Ser não irá estar só. Muitas outras Almas que estão presos nos corredores da confusão do Ser – criminosos, alcoólicos, Almas noviças, etc., farão agora parte do seu grupo de novos ‘amigos’ (…)

(2) – O outro ponto é a falta de respeito para com nós próprios. Se eu me suicido por causa de um ‘amor’ digo-vos desde já que isso não é amor! Nada tem a ver com amor! Se a pessoa com quem eu estou ‘em amor’ me deixa, não quero aqui dizer que não vou ter uma ‘dor’, é obvio que sim. No entanto, esse sentimento de ‘amor’ pertence somente a mim. O amor que sentia por ela é um amor que está em mim. Se está em mim, em mim irá permanecer. O amor que sinto por alguém não está nesse alguém, esse alguém apenas o faz despertar em mim. Ora, com esse alguém ou com um outro alguém o amor que sinto é apenas meu, caso contrário seria como uma droga, ligo-me a ti para sentir o amor porque sem ti não tenho amor! (…)

Meu caro/minha cara – ao voltar para a sua ‘CASA ORIGINAL’ só terá uma VIDA a explicar e justificar – a SUA!

Alimento para reflexão:

A ilusão não qual vivemos leva-nos a crer que quando dou o meu corpo a outra mulher que não é a minha esposa é visto como infidelidade. No entanto, tudo o que estou a utilizar neste processo é meu. É o meu corpo físico, mental e espiritual que estou a utilizar e não o da minha esposa… se há algo aqui a responder é para comigo próprio (…)

Partilhas de LUZ.

Antonio L. Santos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *